Início Matérias Comportamentais Livro Machu Picchu O arlequim negro em PISAC

O arlequim negro em PISAC

COMPARTILHE

Pisac havia entrado no meu roteiro tardiamente. Não tinha ideia do que estaria me esperando naquele lugarejo, cuja localização estratégica, a 2.300m de altitude, fez dele capital regional de destaque.

O ônibus partiu às oito da manhã e em uma hora estava em Pisac, 31 km a leste de Cusco. Assim que desembarquei, vi-me em meio a um confuso burburinho, causado pelas festas em honra à Virgem de Carmem, comuns em toda a região no período de 16 a 18 de julho.

Ao redor da praça central, o comércio vendia blusas de lã de alpaca, e peças em bronze e prata. A conversa dos vendedores se misturava ao som de grupos que tocavam no estilo das bandinhas de interior. Os habitantes, fantasiados, saíam cantando e dançando atrás deles. As mulheres, usando saias azuis enfeitadas com saiotes sobrepostos de renda branca e muitas fitas, todas com longas tranças, giravam de um lado para o outro com rapidez e habilidade.

A música confundia-se com o vozerio dos moradores e dos homens que carregavam a Virgem de Carmem num andor decorado com flores e rendas de trama bem fina. Achei curioso um fantasiado todo vestido de preto, o peito coberto de franjas vermelhas e brancas, com uma máscara preta de lã encobrindo o rosto e um gorro branco na cabeça.

Apesar de toda a confusão, o lugar estava agradável. Comecei a circular para curtir melhor. Vi de novo o tal mascarado. Dei de ombros e apelidei-o de “arlequim negro”. Depois de duas horas, fui comer um sanduíche numa lanchonete. Apreciava distraído a multidão, quando vi, ao longe, o mesmo “arlequim”. Desta vez, ele parecia me olhar.

Quando percebeu que eu o tinha visto, tratou de sumir. Fiquei intrigado com aquela insistência, mas ele havia se misturado ao povo. Acabei meu lanche e fui caminhar pela cidade. Queria me informar sobre as ruínas de Pisac. Segui por uma rua estreita tão característica que me deu vontade de fotografá-la.

Alguns estudantes passavam perto e pedi a um deles para tirar uma foto minha. Enquanto preparava a máquina, no entanto, observei que o arlequim negro continuava lá atrás. Demorei mais do que o necessário para ajeitar o filme. A fim de não dar bandeira, ele continuou andando e me alcançou. Quando ia passar por mim, com um movimento rápido, dei a máquina para uma pessoa com uma mão e com a outra agarrei-o pelo braço:

— Vamos tirar uma foto — falei.

Cidade no Peru

Pisac

Países nas Américas

 Argentina |  Bolívia |  Chile |  Curaçao |  Estados Unidos |  Peru |  Uruguai

 

Leia mais

Meu encontro com Pachamama

O guru e líder espiritual David Ramirez

O Gigante Coroado

Cusco é um tesouro arqueológico ao ar livre

As maravilhas descobertas em Ollantaytambo

Kenko fica nos arredores de Cusco

A pedra de 12 ângulos feita pelos incas em Cusco

Como foi fundada a cidade de Cusco

As maravilhas descobertas em Ollantaytambo

Percorri a trilha inca em 4 dias

O que levar na Trilha Inca

Minha caminhada na evolução espiritual

A Trilha Inca não é para qualquer um é difícil percorrê-la

Recomendação para percorrer a Trilha Inca

Trilha Inca: Wayllabamba – 1º dia

Trilha Inca: Warmiñusqa – 2º dia

Trilha Inca: Wiñaywayna – 3º dia

Trilha Inca: Machu Picchu  – 4º dia

A busca pela trilha individual

A última noite antes de chegar a Machu Picchu

Intipunku significa “porta do sol”

A descoberta da cidade sagrada por Hiram Bingham

Em Machu Picchu as mulheres enclausuradas eram conhecidas como aqllakunas

A construção de Machu Picchu

Por que Machu Picchu foi abandonada?

Uma árvore na praça sagrada

As bruxas eram temidas pela comunidade por causa de seus poderes sobrenaturais

Caminhando pela Cidade Sagrada dos Incas

Minha viagem com o padre Marcelo Rossi e o Gugu

Palestra Motivacional- Soluções Criativas para você e sua empresa

Machu Picchu – Trabalho em Equipe

Viagem de incentivo- Machu Picchu

Soluções estratégicas para seu evento

Entrevista I – A origem do Viajante Profissional

Biografia

No seu evento com o profissional Sergio Motta

A internet é um aliado fundamental para pesquisa de voos baratos

É bom conferir se está tudo ok com o veículo

Não faça compras desnecessárias

Quanto mais viajo, menos roupa preciso

Leve só uma bagagem que possa carregar e levantar sozinha

A primeira coisa é escolher o seu destino da viagem

Dicas para combater o inevitável Jet lag

Em viagem, adote a mesma precaução que adota em seu país

No verão, o calor é de matar e tudo está superlotado e mais caro

Nada de colocar o dinheiro dentro do sapato

Eu já fiz muita amizade quando fiz meu primeiro mochilão

Escolha destinos econômicos para viajar

Os dois maiores gastos de viagem são transporte e hospedagem

Pesquise sobre o lugar para onde você vai

Você é quem decide

Procure interagir com os moradores locais e peça informações

Junte-se com pessoas em hostels e campings e cozinhe junto

Pesquise e faça passeios por conta própria

Procure além da rota Estados Unidos- Inglaterra

Os melhores reconhecidos pela galera

Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar ao blog viajandocomsergiomotta sobre os erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente ao blog

Compartilhar

Preencha os campos abaixo para compartilhar esta postagem.

Indo Viajar

Gostaria de obter informações, dicas, sugestões, conselhos e quem sabe nos encontramos no local. Por isso estou deixando alguns dados para encontrar-me no Facebook do Grupo Viajando com Sergio Motta.
OBS: Seus dados ficaram por 6 meses após a data de partida expirar. Seja um VIAJANTE TOP.
NomeFacebookDestino(s)ChegadaPartidaStatus